Top 10 | Melhores Raps Sobre Mães

Top 10 | Melhores Raps Sobre Mães

spl.jpg

Não é incomum que artistas mencionem ou façam músicas para suas mães em algum ponto de suas carreiras, mas talvez nenhum gênero tenha uma relação tão especial com as mães do que o hip-hop. 

Justamente por virem, em sua maioria, de lugares pobres e ambientes hostis onde é normal que mães criem seus filhos sozinhos, diversos rappers já expressaram amor incondicional pelas pessoas que tornaram todo seu sucesso possível. Além disso, há algo de especial em ver artistas que se mostram tão intocáveis e absolutos, que julgam serem fortes para aguentar qualquer coisa por conta de onde cresceram, se abrirem por pouco minutos a fim de mostrar seu lado mais vulnerável. 

Nesse dia das mães, trazemos para vocês as 10 melhores músicas de rap feitas para as mães. 

10 | Nas e Fannie Ann Jones - Dance

I pray, when I marry, my wife'll have one of your skills
But Mom, you could never be replaced
I'd give my life up just to see you one more day, to have one more dance with you mama

Uma das últimas faixas de seu sexto álbum de estúdio, "Dance" retrata a saudade de Nas de sua recém falecida mãe e seu desejo de poder ter pelo menos mais uma dança com sua mãe. A imersão da narrativa é comovente, Nas detalha conversas sobre o espaço sideral que tinha com sua mãe e como ele desejava nunca ter de rimar estas letras. Mas há muito pouco de dor ou ressentimento aqui e muito mais um senso de agradecimento e realização de saber que agora sua mãe esta em paz e em um lugar melhor. 

9 | Kendrick Lamar e Paula Oliver e África e Compton | Momma

Thank God for rap, I would say it got me a plaque
But what's better than that?
The fact it brought me back home

Existem diversas interpretações para as letras de Kendrick nesta faixa de "To Pimp a Butterfly" que, não por acidente, é a nona na tracklist, assim como sua posição nessa lista e a posição da primeira colocada em seu respectivo álbum. Aqui Kendrick referencia diversos aspectos de sua infância e trajetória para o sucesso e trata Compton, sua cidade natal e a própria África como suas casas e apesar de ele não referenciar sua mãe explicitamente aqui, a atmosfera acolhedora e maternal da faixa e diversas referências líricas aludem para ela. 

8 | Eminem and Debbie Mathers - Headlights

But I'm sorry, Momma, for "Cleanin' Out My Closet"
At the time I was angry, rightfully? Maybe so
Never meant that far to take it though
‘Cause now I know it's not your fault, and I'm not makin' jokes
That song I no longer play at shows
And I cringe every time it's on the radio

Após uma carreira atacando a tudo e a todos, inclusive sua mãe pela negligência e o ambiente abusivo à que ela o submeteu, Eminem passou por uma forte reabilitação que pode ser melhor vista em "Marshall Mathers LP 2", onde ele enfrenta diversos de seus fantasmas do passado de forma madura. Em "Headlights" ele pede desculpas por todas as coisas que falou e uma das narrativas mais conhecidas e inusitadas do hip-hop tem uma conclusão justa e equivalente ao talento de Eminem, que por vezes é ofuscado por suas tendências agressivas. 

7 | Chance The Rapper e Lisa Bennet - Hey Ma

I said 'Hey Ma', don't go stretching your wallet
These niggas gotta pay me for taking a year from college
Go on get ya nails polished, stylist for your eyelids
And a pilot for your mileage for them frequent flights to your island

Chancelor Bennet sempre foi um homem devoto a sua família e a Deus. Mas há 6 anos, quando lançou sua primeira mixtape, 10 Day, que tem esse nome em função de Chance ser suspenso por tal período de tempo em sua escola. Essa suspensão veio a se tornar uma pausa de 1 ano nos estudos, onde Chance se dedicou inteiramente para sua música. ''Hey Ma'' nada mais é do que um pedido de desculpa sincero e contagiante, por não se comportar ou tirar notas boas, mas que finalmente sua mãe não precisa se preocupar pois vão pagar ele por esse ano sem escola que resultou em sua primeira Mixtape.

6 | Ghostface Killah - All That I Got Is You

But I remember this, moms would lick her finger tips
To wipe the cold out my eye before school with her spit

Em uma das últimas faixas de "Ironman", seu álbum de estreia, Dennis Cole a.k.a Ghostface Killah detalha as dificuldades de sua infância e como a única coisa que mantinha ele e seus irmãos era sua mãe. Com uma maravilhosa participação de Mary J. Blidge e uma produção orquestral, sem o uso de batidas, a faixa é quase como um R&B  excepcionalmente bem rimado, com uma dedicada e emocionante performance de Cole que deixa de lado sua imagem agressiva pela pessoa que mais importa em sua vida. O contraste é impressionante. 

5 | Drake e Sandi Graham - Look What You've Done

You get the operation you dreamed of
And I finally send you to Rome
I get to make good on my promise
It all worked out, girl, we shoulda known
Cause you deserve it

Talvez mais complicada que suas relações amorosas seja a própria relação de Drake com sua própria identidade musical. Em seu álbum mais R&B possível, e em uma faixa que praticamente não abusa de batidas, o rapper canadense entrega dois de seus melhores versos em um ritmo cadenciado, contemplativo, onde ele relembra e reconhece importantes elementos de sua incerta jornada para o sucesso. 

Seus amores de adolescência, seus ressentimentos com seu pai, a surpresa de conseguir seu primeiro contrato. Mas o que mais impressiona é a sensação de que a faixa inteira se passa em um sofá com ele e sua mãe lado a lado, conversando, discutindo, fazendo as pazes e com ele, por fim, tentando fazer a própria entender o que conseguiu fazer. Hoje, anos depois e com Drake sendo um dos artistas mais populares de sua geração, é bem possível que esta seja uma de suas músicas mais impactantes. 

4 | Jay-Z e Gloria Carter - Smile

Mama had four kids, but she's a lesbian
Had to pretend so long that she's a thespian
Had to hide in the closet, so she medicate
Society shame and the pain was too much to take
Cried tears of joy when you fell in love
Don't matter to me if it's a him or her

Enquanto a faixa funciona como uma carta ao próprio Jay-Z de como coisas difíceis de seu passado o ajudaram se tornar o que se tornou. A produção é subjetivamente contrastante, contando com elementos de trap e um leve e acolhedor coral no fundo, além de um inusitado sample de Stevie Wonder, que parou de liberar suas músicas para reutilização, mas permitiu que No I.D. e Jay-Z utilizassem "Love's In Need of Love Today". 

Ainda assim, o momento que rouba a cena da faixa e talvez de todo o álbum é a declaração de Jay-Z no primeiro verso, onde ele revela a homossexualidade de sua mãe de forma carinhosa e aceitativa. Ao final, Gloria Carter entrega um lindo monólogo, onde fala a todos que a vida é curta, é tempo de sermos livres e de amar quem amamos. Sorrir talvez seja realmente o melhor remédio. 

3 | Outkast e Kolleen Maria Gipson - Ms. Jackson

I'm sorry, Ms. Jackson, I am for real
Never meant to make your daughter cry
I apologize a trillion times

"Ms. Jackson" é talvez a música mais curiosa em nosso top por ser escrita não para as mães de André 3000 ou Big Boi, mas sim para a mãe de Erykah Badu, mulher de 3000 na época. Não é uma dedicação e sim uma reconciliação, com o duo de Atlanta entregando rimas metafóricas que comparam a relação de ambos com uma tempestade, que cai a todo momento durante a produção. 

Ao final de tudo, Ms. Jackson soa como uma estranha e eficiente narrativa familiar, com diversas mães envolvidas e com um sincero pedido de desculpas. O amor pode não ter sido para sempre, sempre, sempre, sempre? Mas a visão que os dois dão para os relacionamentos familiares aqui é, assim como tudo que o duo faz, inovadora e visionária. 

2 | Kanye e Donda West - Hey Mama

I wanna tell the whole world about a friend of mine
This little light of mine and I'm finna let it shine
I'm finna take y'all back to them better times
I'm finna talk about my mama if y'all don't mind

Talvez nenhum rapper tenha uma relação tão aberta com sua mãe como Kanye West. De acordo com o próprio, todas as suas faixas tinham que ser aprovadas pela sua mãe para serem lançadas e o trágico falecimento dela em uma cirurgia em 2007 o inspirou a simplesmente revolucionar o hip-hop, provando que há mais do que espaço para emoção e vulnerabilidade no gênero. 

Mas foi em "Hey Mama", em "Late Registration", que Kanye melhor nos apresentou sua linda relação com sua mãe. Uma ode, uma homenagem, um hino, talvez a música mais dedicada e sincera de toda a sua carreira, onde o centro da narrativa, pela primeira vez, não o envolve diretamente. A música é acolhedora, com um leve coral regado a "lalalas" e um refrão minimalista que resume a infinidade de referências feitas por ele durante seus versos e no final, quando Kanye pede para todos cantarmos juntos, parece impossível não seguir. 

A única pessoa que Kanye West amou mais do que ele ama Kanye West é sua mãe, e isso quer dizer muito. 

1 | Tupac e Afeni Shakur - Dear Mama

I reminisce on the stress I caused, it was hell
Huggin' on my mama from a jail cell

Considerado por muitos o melhor rapper de todos os tempos, Tupac fez um sucesso estrondoso por sua habilidade inigualável de fazer hits com camadas e camadas de conteúdo. "California Love", "Changes", "Keep Ya Head Up", todas suas principais faixas eram ao mesmo tempo altamente comerciáveis e profundamente complexas, trazendo conceitos e comentários sociais carregados. Mas nenhuma de suas faixas mostra mais do seu talento do que "Dear Mama". 

Desde seu conturbado relacionamento com seu pai, às dificuldades que ele e sua irmã enfrentavam em casa e na escola, à seus episódios na cadeia, onde em todos momentos era apenas a sua mãe quem o segurava. 

Apenas a terceira música de rap a ser incluída na biblioteca do congresso, "Dear Mama" provou que a thug life não impede você de mostrar seus sentimentos e a sensibilidade de Tupac na realização da faixa, que se tornou clássica ao longo dos anos, é essencial para sua relevância. A batida está presente, mas ela parece menos importante do que um belo riff de guitarra, que acompanha toda a atmosfera sentimental e pesada da faixa. É uma composição que valoriza os momentos ruins tanto quanto os bons e que mostra a figura da mãe com todas as suas facetas, que também podem ser boas ou ruins. 

É talvez a melhor música do rapper mais talentoso a já viver, logo "Dear Mama" deve sempre estar no topo de faixas dedicadas à mães, seja no hip-hop ou em qualquer gênero. 

Melhor Música Nova | Christina Aguilera feat. Demi Lovato - Fall In Line

Melhor Música Nova | Christina Aguilera feat. Demi Lovato - Fall In Line

Melhor Música Nova | Childish Gambino - This Is America

Melhor Música Nova | Childish Gambino - This Is America