Crítica | Better Call Saul (2ª Temporada)

Crítica | Better Call Saul (2ª Temporada)

Para quem estava esperando uma série puxada para Breaking Bad e todas suas químicas, Better Call Saul foge um pouco desse núcleo. Vince Gilligan esta seguindo um ótimo caminho com a história de um dos melhores personagens de Breaking Bad, Saul Goodman (Bob Odenkirk) nos mostra a face de um advogado atuando "solo" no mercado contra uma firma enorme comandada pelo seu irmão Charles McGill (Michael McKean) ou Chuck. Assim como na primeira temporada Chuck se mostra contra os serviços de advogado de seu irmão que por enquanto nos foi apresentado como Jimmy McGill, seu verdadeiro nome. Na sua primeira temporada Jimmy estava correndo atrás do seu espaço e batalhando pelos direitos de seu irmão com a sua empresa "Hamlin & McGil", mais para o fim da season one Chuck se mostra um verdadeiro traidor contra Jimmy.

Em sua segunda temporada, Better Call Saul é mais uma disputa entre irmãos, é claro, uma disputa em partes. Devido a acontecimentos passados com Chuck ele se tornou, como ele mesmo denomina ter, hipersensitividade eletromagnética. Tendo esse "problema" Jimmy em certos momentos tem que ajudar o seu irmão em casos extremos como se enrolar em papel laminado que segundo Chuck, evita as ondas eletromagnéticas. Nesta segunda temporada, a personagem Kim Wexler (Rhea Seehorn) aparece muito mais como um meio termo. Kim é uma funcionária da empresa de advocacia "Hamlin & McGil" e também é a "peguete" de Jimmy.
De tanto tentar convencer Kim, Jimmy consegue fazer com que ela monte um negócio ao lado do seu, sendo assim "sócios". O ápice desta temporada foi a tentativa de Kim pegar a mesa verde. Chuck, por não gostar de nada que seu irmão faça na área de advocacia e sabendo que Jimmy havia influenciado a saída de Kim da firma, luta com unhas e dentes para não deixar a mesa verda abandonar "Hamlin & McGil".

 

 

 Chuck volta para sua firma para realizar esta "luta" contra Kim para conseguir a mesa verde, e não deixar nas mãos de pessoa inexperientes, mas ele não estava falando de Kim pois ele sabia que graças a ela, a firma havia ganhado diversos casos. O motivo era seu irmão mesmo, Jimmy.
Porém, visto isso, estava na hora de Jimmy agir do modo em que o conhecemos como em Breaking Bad. Esperando seu irmão ter mais uma de suas crises de hipersensitividade eletromagnética, ele trama uma fraude para ajudar sua amada a conseguir a mesa verde. Como Jimmy e Chuck moravam juntos, ele possuía uma chave consigo para entrar na casa a hora que ele quisesse, e quando seu irmão teve a crise Jimmy foi logo nos arquivos que Chuck deixou guardado em casa sobre a papelada da mesa verde. Jimmy foi rapido, esperou seu irmão dormir, pegou as papeladas e correu para um local com maquina copiadora 24h e alterou os endereços dos arquivos.
 

 

 

 No dia em que estava marcado com o comitê da firma com a mesa verde para avaliar, Chuck não suspeitava que seu irmão pudesse ir tão longe e falsificar arquivos tão importantes assim. Após o comitê analisar as papeladas, havia um erro, os endereços em que Chuck/ Jimmy colocou nos papeis estavam diferentes aos quais a mesa verde havia entregue. Com isso o comitê não pôde aceitar, e teria que ser marcada outra audiência somente meses depois para revisar o caso. A mesa verde não poderia esperar tanto tempo, e já com Kim em seus contatos, eles já sabiam a quem procurar.


 Após este acontecimento, Chuck pensou diversas vezes em como ele pode cometer um erro tão "bobo" como esse, e causar prejuízo a sua firma. Mas é claro, conhecendo seu irmão, não demorou muito para que Chuck suspeitasse. Ele realizou diversas pesquisas para procurar uma maneira de descobrir como Jimmy falsificou os endereços, e ao mesmo tempo Kim e seu parceiro Howard Hamlin (Patrick Fabian) afirmavam que ele havia cometido um simples erro e que não teria problema em admitir. Chuck certo de que seu irmão era o responsável continuou procurando um jeito de desmascarar, até que ele pensou em procurar por lugares com maquinas copiadoras 24h pela região. Jimmy descobre que seu irmão esta suspeitando dele, então como um criminoso ele vai nos lugares para encobrir as provas. Pagando uma quantia de dinheiro para o dono do lugar onde foi realizado as falsificações, Jimmy pede para que o senhor minta para qualquer um que perguntar, principalmente seu irmão. Chuck vai no local, pergunta se seu irmão esteve ali, e como pedido, o dono mentiu. Chuck começa a perder a paciência, e junto com seu problema de hipersensitividade eletromagnética ele acaba caindo e batendo a cabeça.

Jimmy que estava assistindo não sabia se corria para ajudar seu irmão ou se fugia do local, mas para nossa aflição ele o ajuda chamando a ambulância. Após sair do hospital com seu irmão, Jimmy leva Chuck para casa e repara que as fechaduras foram trocadas para que ele não pudesse entrar sem ser convidado. Jimmy coloca seu irmão sentado no sofá e então começa a falar que ele é inocente e que até um advogado renomado como ele cometia erros como trocar o endereço em papéis. Chuck começa a "aceitar" aceitar a sua culpa e admite que errou. Então vem a afirmação de que ele ira largar a firma e se aposentar de tão decepcionado ele estava com esse erro. Por algum tipo de remorso Jimmy admite que falsificou os arquivos mas se defende dizendo que foi por uma boa causa, ele queria ajudar quem merecia de verdade a mesa verde. Após afirmar com as palavras suas próprias palavras que "falsificou" documentos oficias, Jimmy se retira da sala e vai embora. Com isso Chuck faz uma cara de quem já sabia e retira um gravador escondido de baixo do jornal. Esta foi a ultima cena da segunda temporada que teve seus altos e baixos.


 E como eu poderia esquecer do nosso amigo Mike (Jonathan Banks) que também estava em Breaking Bad, sua participação nesta segunda temporada foi voltada com o cartel. Após ser ameaçado por Hector Salamanca (dono do cartel), trama o assassinato do mesmo.
Com uma 2 temporada mais focada no confronto dos irmãos, Better Call Saul continua com a essência que gostamos e um pouco mais.

 Crítica | Game of Thrones (6ª Temporada)

Crítica | Game of Thrones (6ª Temporada)