Crítica | Lana Del Rey - Lust for Life

Crítica | Lana Del Rey - Lust for Life

álbum disponível no fim do post

Lana Del Rey não precisa de grandes introduções a essa altura do campeonato. A cantora já faz parte vívida do cenário musical atual e tem um trabalho sólido para sustentar nossa expectativa por qualquer trabalho novo dela. "Lust for Life" é seu quarto álbum de estúdio e, desde seus primeiros singles, mostrava-se como uma mudança para a artista.

É importante observar que ele já é apresentado como diferente de tudo feito até então por Lana na capa: temos uma tipografia nova para o título do álbum e para o nome da artista, que, por sua vez, nessa capa, está sorrindo.

E essas diferenças visuais na capa do álbum fazem jus ao conteúdo dele. "Lust for Life" é, como um todo, diferente de todos os outros projetos de Lana Del Rey.

A maior diferença, infelizmente, é um ponto negativo: a falta de unidade. A impressão que o álbum passa, ao longo de uma audição dele por completo, é que Lana quis agradar a todos: tanto os fãs saudosos da era "Born To Die" quanto os que navegaram junto a ela pelas águas mais calmas de "Honeymoon".

Analisando faixa-a-faixa, ela foi bem sucedida. É possível diferenciar com clareza pela produção o que dialoga com cada vibe de sua carreira. No entanto, a tomada dessa decisão artística traz uma perda significativa de identidade para "Lust for Life". Ao tentar unir diferentes facetas de sua carreira em um único álbum, Lana acaba tendo como resultado 72 minutos que incluem, no mesmo disco, participações de A$AP Rocky e Sean Ono Lennon, Stevie Nicks e Playboy Carti, canções sobre "não telefonar pro cara" e canções sobre a possibilidade de guerra nuclear. Isso não torna todas as faixas, individualmente, piores, mas incomoda. Os discos da Lana sempre foram razoavelmente focados. Este disco tem sim, no geral, uma temática mais otimista e o crescente desejo pela vida de Lana é palpável ao decorrer da tracklist. Entretanto, o faz com tanta diferença em alguns momentos que poderia ter sido dividido em dois projetos.

É importante salientar que, talvez pela vendagem baixa do focado e profundo "Honeymoon", a Interscope Records tenha "pedido" à Lana que este álbum fosse mais acessível, abrangente. Caso isso tenha ocorrido, faz todo sentido que, para não banalizar as faixas mais complexas, ela tenha incluído mais faixas, essas, por sua vez, mais acessíveis. 

É por isso que, como eu disse antes, a falta de unidade do projeto não torna suas músicas piores, tampouco diminui sua nota incisivamente. Há uma chance de algumas liberdades da artista terem sido "seguradas" em seu quarto álbum pelo bem comercial dele. Então, não é justo condená-lo por isso.

Assim sendo, podemos falar do principal nesse álbum: as músicas. E aí? São boas?

Algumas, não. Algumas, razoáveis. Algumas, boas. Algumas, excelentes. "Lust for Life" inclui alguns retrocessos para Lana, mas muitos avanços. E possui algumas das melhores faixas já compostas pela cantora.

Apesar de fazer uso dos 4 acordes mais clichês da música pop, "Love" é uma faixa brilhante e dá início ao álbum em alto nível, deixando algumas marcas do que vai se repetir ao longo do LP: vocais mais presentes e precisos do que nos trabalhos anteriores de Lana e letras de qualidade, com muitas justaposições que foram muito bem trabalhadas. A abertura do disco segue bem com a faixa-título "Lust for Life", um dueto com The Weeknd que foi ficando cada vez melhor cada vez que eu ouvia novamente e entendia mais da narrativa que os dois criaram. "13 Beaches", talvez a melhor união da profundidade emocional de "Honeymoon" com a produção dos melhores momentos de "Born to Die" e "Cherry", que apesar de perder a elegância que poderia ter tido por incluir alguns hi-hats e toques duvidosos de produção no refrão, não deixa de ser uma bela faixa.

A segunda parte do álbum é a mais inconsistente. Temos "Summer Bummer" (que já foi elogiada aqui no Outra Hora anteriormente), um hit bem mais próximo do hip-hop que o usual para Lana, tão sombrio quanto sensual com um ótimo verso de A$AP Rocky, que também aparece muito bem em "Groupie Love", outro acerto da tracklist: uma faixa super visual que traz o melhor da era "Born To Die" fazendo melhorias.

No entanto, para essas duas faixas boas, há duas ruins. Se "Summer Bummer" e "Groupie Love" se inspiram em "Born To Die" para estabelecer o clima das canções e evoluir a partir daquela estética, "White Mustang" e "In My Feelings" parecem b-sides daquele álbum, a primeira com uma letra boba, um assobio desencontrado e um fim abrupto e a segunda, apesar de possuir uma letra mais empoderadora, lembrando "High By The Beach", ainda é, no melhor dos casos, uma faixa ok. "Coachella - Woodstock In My Mind", propõe uma reflexão interessante, mas sem profundidade. A atmosfera refrescante da faixa acaba ficando agradável com o passar do tempo, mas a música não chega perto de ser um destaque nesse projeto.

Depois de "Coachella" temos mais sete músicas. Que melhoram em sequência.

Da décima faixa em diante, "Lust for Life" é impecável.

"God Bless America - And All The Beautiful Women In It" tem uma produção excepcional e jeito de hino. Do início com o violão e a parte acapella de Lana ao crescimento da percussão para uma parede de sons no final, a canção é provavelmente a mais feminista já lançada pela artista, com um forte senso de sororidade na letra. No último refrão temos uma troca de "women" para "people", mas esta é justificada: a faixa seguinte, "When the World Was at War We Kept Dancing", entrega uma forte preocupação com o estado político atual dos Estados Unidos e do mundo. Contudo, demonstrando, novamente, que está numa fase nova, Lana aborda o tema com otimismo - em guerras anteriores o povo americano continuou lutando, se mexendo em prol uns dos outros, dançando. "And we'll do it again", ela diz.

A crescente continua em "Beautiful People, Beautiful Problems". O verso é lindo, a letra é poética e a produção é excepcional: delicada, sem perder a força, sensível, sem perder a convicção. Até mesmo o refrão, cuja letra me despertava reticência nas primeiras audições, ganhou mais profundidade a medida que a música amadureceu em mim. Stevie Nicks é uma influência direta no trabalho de Lana, e ouvi-las colaborando é gratificante e funciona tão bem quanto se poderia esperar.

Pode ficar melhor? Sim. Lana disse em entrevista que quando compôs "Tomorrow Never Came", sentiu pela primeira vez que compôs para outra pessoa, não para ela. Ainda bem que ela decidiu falar com o artista certo, e melhor, fazer da canção um dueto com ele ao invés de entregá-la. Sean Ono Lennon, filho de Yoko Ono e John Lennon, se uniu à Lana nos vocais, composição e produção. O resultado é um dueto romântico como poucos, uma pérola. A canção é puro amor, puro sentimento, puro coração partido e ainda apaixonado, que continua sonhando com a pessoa amada, continua ouvindo as mesmas músicas, continua esperando pelo amanhã que nunca chega.

Assim como em diversas outras canções do álbum e de sua carreira, Lana presta homenagem a seus ídolos em trechos de suas letras. No caso dessa, temos menção à "Lay Lady Lay", de Bob Dylan, "Tiny Dancer", de Elton John, a menção direta à Yoko Ono e John Lennon e um verso que somente Lana conseguiria cantar sem parecer cafona ou boba:

And I could put on the radio to our favorite song
Lennon and Yoko, we would play all day long
"Isn't life crazy?", I said, now that I'm singing with Sean

Diferente de outros artistas, ela não se perde nas próprias referências. Essa música é um ótimo exemplo: há a clara influência de Sean Lennon e de baladas dos Beatles como "Something", mas em momento algum ela parece estar almejando produzir música semelhante a essa que a inspira. Ela não perde a autenticidade de seu som e sua verdade artística e é isso que torna suas homenagens e referências honráveis, não supérfluas.

O fechamento do disco é feito por um trio de alto nível.

"Heroin" é puro Ultraviolence no que diz respeito à atmosfera e à produção. Pela narrativa e pela energia de Lana, poderia muito bem ter sido a última faixa daquele disco, um fechamento triunfalmente desesperador, como o final do filme Um Corpo Que Cai. "Change" é o recorte mais intimista de Lust for Life, lembrando bastante os melhores momentos de Honeymoon. A cantora põe em voga seu lugar no mundo como pessoa, artista e principalmente, voz. Que poder suas palavras têm e o que ela pode fazer com elas. Como disse o produtor Rick Nowels, uma jóia no álbum. Finalmente, em  "Get Free", Lana abraça as mudanças sobre as quais reflete na música interior, assim como abraça totalmente algumas de suas influências dos anos 60 como a banda The Shangri-Las. Uma faixa inspiradora, que fecha o álbum de maneira coesa e otimista.

Na última canção do álbum, Lana repete uma frase que já nos tinha dito antes, em "Ride":

Sometimes it feels like I've got a war in my mind
I want to get off, but I keep riding the ride

Porém, dessa vez, a letra toma um caminho diferente. Não mais o caminho da solidão em busca de alguma paz na velocidade, mas o caminho de quem, pouco a pouco, se encontra, permitindo que os bons momentos deixem de ser coadjuvantes para se tornarem protagonistas - e não haveria maneira melhor de encerrar esse álbum senão essa.

I never really noticed that I had to decide
To play someone's game or live my own life
And now I do
I wanna move
Out of the black (out of the black)
Into the blue (into the blue)

"Lust for Life" é uma evolução em quase todos os aspectos para Lana Del Rey e possui algumas das melhores faixas de sua carreira. Seu único defeito é não decidir pra que lado quer ir, fazendo dele um álbum longo e satisfatório que poderia ter sido dois álbuns mais curtos que deixassem gostinho de quero mais.

8

Crítica | Good for You - Aminé

Crítica | Good for You - Aminé

Crítica | Tyler, The Creator - Flower Boy

Crítica | Tyler, The Creator - Flower Boy