Crítica | Tyler the Creator - Music Inspired by Illumination & Dr. Seuss’ The Grinch EP

Crítica | Tyler the Creator - Music Inspired by Illumination & Dr. Seuss’ The Grinch EP

Em 2010, em uma música de Earl Sweatshirt chamada ‘‘Fuck This Christmas’’, Tyler, participando dela, e naquela época, a princípio odiando o Natal, recitou em oposição a data : ‘‘See if you're the gift from God then I'm the Christmas wrap from Satan”. Hoje, em 2018, sabe-se que Tyler amadureceu musicalmente e pessoalmente. Os visuais são cada vez melhores, sua produção e seu flow cada vez mais polidos, e sim, chegou o dia que Tyler the Creator, ao invés de odiar o natal, tentou roubá-lo para si.

Mas não se engane, não a nada para ser levado a sério aqui. Tyler simplesmente se deu ao luxo de lançar um EP sobre o Natal em função de sua mais recente participação na trilha sonora do filme ‘‘O Grinch’’. É apenas isso. É entendível o mundo inteiro reagir exageradamente sobre qualquer coisa que Tyler, The Creator lança e há uma quantidade enorme de pessoas incitando que o Rapper perdeu um pouco de sua criatividade por ‘‘Music Inspired by Illumination & Dr. Seuss’ The Grinch” parecer, por vezes, um conjunto tracks que não entraram em ‘‘Flower Boy’’. Não é. É apenas uma das mentes mais criativas da nossa geração despretensiosamente se divertindo.

A questão instrumental, desde a expansão numérica de instrumentos usados até a qualidade de seus arranjos e progressões, que foram destaque no seu último álbum continuam a evoluir aqui. Os visuais de Tyler continuam impecáveis.

De fato, muito do novo EP parece derivado de Flower Boy, e de novo, não há problema nenhum nisso pelo fato de estarmos tratando de uma aventura natalina do Rapper. ‘‘Whoville’’ é uma introdução acolhedora e liderada por uma melodia de piano aconchegante. Conforme a faixa progride e aparecem os mais variados instrumentos juntos (até, literalmente pequenos sinos de natal), a música parece como um minuto e treze segundos de puro improviso, criando uma atmosfera bela e despretensiosa logo de cara.

‘‘Lights On’’, que claramente pertence aos anos 80, lotado de sintetizadores que evocam a época, conta com ótimos vocais de Santigold e Ryan Beatty e ‘‘Big Bag’’, o único Rap de fato do álbum trata de Tyler rimando da perspectiva do personagem Grinch roubando presentes de uma forma extremamente divertida e contagiante.

As outras 3 músicas, ‘‘Hot Chocolate’’, ‘‘When Gloves Come Off’’ e ‘‘Cindy Lou’s Wish’’ são mais 3 retratos do EP em questão: Arranjos leves e acolhedores, porém, infelizmente para um projeto de apenas 6 faixas, repetitivos. Mas novamente, a forma despojada com que Tyler compõe e produz aqui são claras e ainda assim, mais nítida que isso é a forma com que ele pode ser inspirador aonde queira se divertir, seja rimando sobre tudo e nada ao mesmo tempo e criar uma das melhores músicas do ano (‘‘Potato Salad’’), ou apenas criando algo para a época natalina e rir com ela daqui a 10 anos.

6,5

Crítica | 21 Savage - i am > i was

Crítica | 21 Savage - i am > i was

Crítica | Earl Sweatshirt - Some Rap Songs

Crítica | Earl Sweatshirt - Some Rap Songs