Crítica | Kanye West - Ye

Crítica | Kanye West - Ye

Você pode, e até deve, se perguntar qual a validade de qualquer crítica sobre um álbum de Kanye West poucos dias após o seu lançamento. Com ele, nem a mais simples das músicas pode ser compreendida antes de repetidas e atentas ouvidas, foi assim em cada um de seus sete álbuns de estúdio que, de alguma forma, conseguem apenas melhorar com o tempo. Este é seu melhor álbum? Ou seria o pior? A verdade é que não sabemos ainda. 

"Ye" é ainda mais singular que seu primo em nome "Yeezus". Kanye não tem uma missão aqui, ou ambições grandes demais, ou uma vontade caótica de desafiar a indústria. Este é um álbum de Kanye West para Kanye West e o fato de sermos todos convidados a dar nossas opiniões nele só mostra que mesmo em seus momentos mais pessoais, sua vontade de ser amado e odiado fala mais alto. Diferentemente de seus trabalhos anteriores, seu oitavo álbum de estúdio não deve se tornar uma tendência ou adicionar elementos novos ao gênero, este álbum existe apenas para si mesmo.

Não há sequer um banger, um hit, uma faixa propriamente clássica e, mesmo que existam elementos de diversos de seus trabalhos anteriores, quase nada realmente se encaixa em sua discografia. "Yikes" tem o flow similar à "Wolves", "Ghost Town" acordes similares à "Runaway", "All Mine" batidas que lembram de certa forma o bum-bum-bum-tum de "Love Lockdown", "Wouldn't Leave" de certa forma pode lembrar a mistura de gospel hip-hop que Chance The Rapper e "Ultralight Beam" apresentam. Mas ainda assim, com todas essas semelhanças, é algo tão magro, tão reduzido e minimalista que faz com que os cortes mais secos de "The College Dropout" ou "Yeezus" pareçam obras barrocas. Algumas batidas são altamente intercaladas e apesar de que instrumentos como baixo, guitarra e piano possam ser ouvidos durante todo o álbum, raramente estes elementos se unem.

A produção é novamente supervisionada por ele, com apenas seu colaborador de longa data, Mike Dean, estando junto em todo o álbum. O ponto central de cada faixa continua sendo o mesmo e isso talvez nunca mude, mas não é  algo ruim, pois realmente me pergunto se Kanye West ouve tanta música assim ou se ele coloca seu serviço de streaming no modo aleatório e escolhe faixas para samplear diariamente - é sério, procure o nome das músicas que ele usa de sample aqui, nenhuma tem sequer uma página na Wikipedia-. O fato é que sempre funciona, mesmo depois de 14 anos fazendo a "mesma" coisa. 

A sonoridade criada para "Ye" reflete perfeitamente o estado de mente que Kanye quis passar não apenas com o álbum em si, mas com toda a história de sua idealização. Isolado no montanhoso estado de Wyoming, o menos populoso dos Estados Unidos, seu objetivo era realmente exorcizar os demônios que o vêm atormentando a tanto tempo que, de repente, pararam de ser divertidos. A própria capa é uma foto tirada com um IPhone de montanhas próximas ao local da gravação do disco com os dizeres "Eu odeio ser bipolar. É ótimo.", a coisa mais minimalista possível. Cada som aqui é ao mesmo tempo frio e distante, mas oferece um estranho senso de conforto, não para nós, mas para Kanye que tem o espaço perfeito para entregar, conceitualmente, o álbum mais pessoal de sua carreira. 

As letras estão consideravelmente mais consistentes que as de "The Life of Pablo", mas não se comparam ao seu melhor material. É preciso entender todo o contexto de cada frase, algo construído ao longo dos últimos dois anos desde o lançamento de seu último projeto, para poder decifrar suas reais intenções liricamente. Kanye rimou e escreveu o álbum inteiramente sozinho e isso é louvável, mas não podemos nos esquecer também que falamos de um homem de 41 anos, que perde bars e certos tempos de rima que não perdia em seu auge, afinal, está em uma idade que muitos rappers não estão mais nem perto do jogo. 

"Ye" funciona definitivamente melhor como um todo, sendo que o valor de replay de cada faixa individualmente é o mais baixo de qualquer álbum de Kanye West.

A pesada e impactante abertura, "I Thought About Killing You", talvez seja a faixa que mais necessite de estudo. Quem é o you a quem ele se refere? A si mesmo? No primeiro verso, falado, ele distorce sua voz várias vezes, como sugerindo que poderia ser uma conversa consigo mesmo e seus diferentes humores, já no segundo, desta vez rimado, ele mira diretamente a mídia e até mesmo pessoas próximas a ele que, quando mais precisou, não teve o apoio necessário. Assim como todas suas grandes músicas, "I Thought About Killing You" é marcada pela dicotomia, é triste e engraçada, simples e profunda, talvez sua faixa mais depressiva, mas sem nunca deixar de lado seu tão inflado ego. 

"The most beautiful thoughts are always besides the darkest
Today I seriously thought about killing you
I contemplated, premeditated murder
And I think about killing myself, and I love myself way more than I love you, so..."

 

Uma das linhas da primeira faixa, onde Kanye rima: Niggas say they hero, mhm, I don't see no cape, muitos achavam que era uma diss à Jay-Z ou até mesmo a Drake, mas no final de "Yikes", a segunda do disco, ele menciona sua bipolaridade como sendo seu superpoder e se auto proclama um super herói. "Yikes" sim é uma faixa mais "tradicional", com uma batida viciosa e agitada e com ele entregando uma de suas performances mais energéticas do disco. A dicotomia é altamente presente aqui também, sendo que em um momento ele tem medo de morrer -assim como seus ídolos Michael Jackson e Prince- por conta das drogas que acabou se viciando, no outro ele se gaba por pagar o silicone de várias mulheres e sobre ser um tipo diferente de líder que fumaria maconha com Wiz Khalifa (casado com sua ex-mulher, Amber Rose) na Coréia do Norte. 

"All Mine" é, em sua essência, um comentário sobre infidelidade, onde ele menciona como a fama pode impedir que sua mulher lhe deixe (assim como ele próprio e jogadores da NBA Tristan Thompson e Kobe Bryant, mencionados aqui). É curta, direta e até mesmo um pouco travada, com um refrão fora de tom de Valee, mas contém uma característica marcante de Kanye em entregar linhas aparentemente sem sentido e fazê-las sucederem pela forma irônica como soam. Sim, aqui ele diz que amar os seios de determinada mulher prova que ele pode se concentrar em mais de uma coisa ao mesmo tempo (algo que diversas mulheres julgam ser impossível para um homem... e talvez seja verdade). Não consigo imaginar outro rapper falando esta frase sem parecer algo extremamente machista. 

"Wouldn't Leave" é a peça central do álbum e uma continuação interessante à "All Mine", justamente por ser mais uma efetiva declaração de amor à Kim, talvez ainda mais inusitada e direta do que "Bound 2". Durante toda a faixa, regada a batidas mudas e piano, Kanye escreve uma carta de apreciação à sua esposa e a todas as mulheres que, mesmo em meio à tempos turbulentos, não deixam seus companheiros de lado. É um dos momentos mais bonitos e talvez a música mais gostável a primeira ouvida, soando como algo entre "The Life of Pablo" e "Coloring Book" e, mesmo que jogue ainda mais gasolina no fogo criado pelo já infame comentário sobre a escravidão, mostra um Kanye extremamente ciente das coisas a sua volta. 

A partir daqui o álbum se torna definitivamente mais agradável sonoramente, mesmo que as reflexões pessoais que Kanye oferece ainda sejam pesadas. 

"No Mistakes" é o segmento mais curto do disco e, apesar de contar com uma das atmosferas mais convidativas - lembrando até um pouco da música de arena de "Graduation-, contém ataques diretos à rixa de Drake e Pusha T que atingiu seu auge na semana entre os lançamentos de "Daytona" e "Ye". É uma das faixas menos exploradoras por conta disso. Kanye diz novamente que gosta de Drake, como já disse outras tantas vezes, mas abertamente entra na discussão ao também utilizar a mesma linha de "Touch The Sky", que Drake utilizou em "Poetic Justice" e Pusha em "The Story of Adidon". These two wrongs'll right you ele diz antes de falar que é mais rico e que Drake é um light-skin (expressão pejorativa utilizada para negros com o tom de pele mais claro). O mais engraçado disso tudo, é que a cada ataque o coro entra, falando que "o senhor ainda brilha em você (Drake)". É impressionante porque funciona.

"Ghost Town" é uma esperançosa dissertação sobre como um dia as coisas vão melhorar. Elementos de "Runaway", como já dito antes, ecoam pela faixa, assim como os vocais regados a auto-tune de Cudi, que servem de prelúdio para o álbum colaborativo de ambos que deve sair nas semanas subsequentes ao lançamento de "Ye". O outro da jovem 070 Shake finaliza a faixa e uma intro da própria inicia o fechamento do álbum, a linda "Violent Crimes", que também conta com um estonteante refrão da cantora. Mais uma vez Kanye percebe que, apenas após o nascimento de uma filha, negros (na verdade todos os homens) em geral começam a perceber os erros que cometeram contra mulheres no passado. É uma embaraçosa carta de preocupação à sua filha, North West, narrando o que ele acredita serem os perigos que ela enfrentará enquanto cresce.

E, assim como sua maior obra, "My Beautiful Dark Twisted Fantasy" começa, "Ye" termina, com um monólogo de Nicki Minaj, dessa vez aparentemente vindo de uma gravação telefônica, onde ela dá a benção para Kanye utilizar seu nome na última faixa. I want a daughter like Nicki, aww man, I promise, I'ma turn her to a monster, but no menagés, ele professa, se referindo ao verso dela em "Monster", um dos melhores da década. 

Após diversas ouvidas, as peças do quebra cabeça que é a mente de Kanye West podem começar a ser desvendadas. Talvez o resultado final, em si, seja uma bagunça que apenas ele possa entender, "Ye" é seu álbum mais pessoal, esquisito e singular, talvez até mesmo o mais difícil, mas vale todo o esforço. 

8

 

Crítica | SZA - CTRL

Crítica | SZA - CTRL

Crítica | A$AP Rocky - Testing

Crítica | A$AP Rocky - Testing