Crítica | Young Thug - Beautiful Thugger Girls

Crítica | Young Thug - Beautiful Thugger Girls

Em seu primeiro álbum de estúdio, Young Thug junta tudo que faz dele o trapper símbolo do gênero. E a pergunta é, quão longe este sub-gênero pode ir? 

Hoje em dia todos gostam de pelo menos alguma música trap por aí. É impossível ver o top 50 do Spotify sem vários artistas a ramificando cada vez mais, e parece que há um timing perfeito entre os lançamentos de álbuns para nunca ficarmos sem. A verdade é que nenhum deles fez algo que validasse qualitativamente sua quantidade cada vez maior. 

Aqui Young Thug tem várias influências, há muitos traços de música latina, que estranhamente combina bem com o trap. Podem ser ouvidos violões perdidos em meio à batida, que parece apenas cessar por alguns momentos, e volta em uma versão diferente para a próxima música. Em "You Said" por exemplo, a primeira coisa que ouvimos são as cordas, e caberia muito bem um artista de língua espanhola ali, mas a mesma batida retorna.

A boa coisa, é que como se cada música fosse um hit em potencial, talvez por serem parecidas, talvez por terem todas um nível muito próximo. Sua abertura, "Family Don't Matter" dá o tom de todo o registro, e fala principalmente sobre fazer sexo com uma garota em especial, enquanto referencia vários amigos e membros da família, que fizeram coisas parecidas com o que ele está prestes a fazer. Destaque para os maravilhosos vocais de Millie Go Lightly, que tomam conta do final da faixa.

É difícil traçar qualquer tipo de linhagem aqui, as vezes ele está mais lento, outras mais rápido, mas todas as músicas parecem ter o mesmo ingrediente, o que pode te deixar cansado passando um pouco da metade. Os melhores momentos são quando achei estar escutando Chance The Rapper (a semelhança na voz é incrível), durante a sequência "Daddy's Birthday" - uma melódica e bem escrita meditação/ostentação sobre ser pai -, "Do U Love Me" - uma alegre música sobre amor, onde Thug diz conhecer sua garota melhor do que todos e parece combater o preconceito com seu estilo de vida -, e "Relationship" - com Future, que não é sobre seu relacionamento atual (eles brigaram publicamente em 2015) que parece muito bem, pois eles se alternam de forma eficiente durante toda a música, mas sim sobre estar relacionado com todas suas garotas ao mesmo tempo-. Em seus piores momentos, Snoop D, O, double G, está sério demais, e o final é quase uma extensão do fogo que se apaga conforme você cansa dele.

"Beautiful Thugger Girls" é muito divertido, e pode ser excepcional dependendo do seu próprio valor para o trap, mas não faz mais pelo gênero do que outras tentativas. É uma compilação dos talentos de Young Thug em forma de álbum, o que não é pouca coisa, mas ainda não responde à pergunta; o quão longe o gênero pode ir? Se este for o melhor álbum de trap do ano, pode ir até aqui, e nenhum passo mais além. 

7

 

Crítica | Young Thug - Jeffery

Crítica | Young Thug - Jeffery

Crítica | Katy Perry - Teenage Dream

Crítica | Katy Perry - Teenage Dream