Crítica | Drake - If You're Reading This Is Too Late

Crítica | Drake - If You're Reading This Is Too Late

No ano de 2015, a ascendência meteórica de Drake parecia inevitável sendo que o rapper de Toronto mostrava melhoras significativas a cada álbum.

Depois de anunciar seu terceiro álbum de estúdio em julho de 2014, Drake, ainda tem turnê, sentiu necessidade de por para fora toda a angustia de quartos de hotéis, longas viagens e noites mal dormidas em versos de rap. A sua vontade na época era trabalhar com o produtor Boi-1da, que tinha produzido parcialmente o seu segundo álbum “Take Care”, e também com uma proposta mais agressiva e músicas mais pesadas.

Se a criatividade do nosso rapper canadense favorito e de seus produtores permitirem, esse não será o álbum definitivo de sua carreira, mas até o momento, Drake apresenta-se em “If You’re Reading This Is Too Late...” em sua melhor forma, lirica e musicalmente com performances que deixaram fãs e críticos impressionados logo nas primeiras semanas de vida do álbum (opa, álbum não... mixtape).

No dia 15 de fevereiro de 2015 é lançado “If You’re Reading This is Too Late...”, sem qualquer aviso prévio, pela plataforma iTunes. 

O lançamento da mixtape confundiu os fãs que esperavam o lançamento do terceiro álbum de estúdio do rapper, no caso “Views”, que acabou sendo lançado somente um ano depois. Aqui a mudança de compasso e temperamento de Drake foram certamente os destaques, finalmente deixando nítido o potencial de Aubrey, e levando a uma justa indicação ao Grammy Awards de 2016.

A faixa de abertura “Legend” constrói o clima do álbum tijolo por tijolo, tendo o maior cuidado e toda a calma do mundo para adicionar todos os instrumentos e samples enquanto Drake rima uma de suas letras mais icônicas até o dia de hoje. “Know Yourself”, “No Tellin” e “Madonna” constituem uma sequencia de músicas mais pesadas, como já visto em “Worst Behavior”, Drake dá continuidade ao seu temperamento mais difícil, menos chorão, mas também mais prepotente, porém mais talentoso e merecedor da atenção que tem.

“Preach” fecha a primeira parte do álbum, uma primeira parte avassaladora em termos de qualidade musical, onde uma música conversa com a outra e todas elas mantem um nível altíssimo quando ouvidas em sequência. “Wednesday Night Interlude” abre a segunda parte, um pouco mais cadenciada, mas ainda assim com passagens muito interessantes como “Used To”, “You & The 6” e a lindíssima “Jungle”. “6PM in New York” fecha o álbum em escala maior, uma dissing song sem refrão e com quase 5 minutos de rimas interruptas e versos de qualidade.

Drake já disse algumas vezes que “If You’re Reading This...” foi o seu único projeto que foi feito com pressa, por ter sido escrito e produzido durante turnês. 

O cotidiano de turnês talvez fez Drake trabalhar melhor, evoluindo como liricista e compositor. O que era para ser um álbum de sobras e desabafos virou um clássico moderno, o sucesso de algumas faixas do álbum foi tão grande que longo depois do lançamento, Drake já estava de novo na estrada fazendo turnê de uma mixtape pela primeira vez em sua carreira.

8.9

Crítica | Arctic Monkeys - Favourite Worst Nightmare

Crítica | Arctic Monkeys - Favourite Worst Nightmare

Crítica | Drake - Nothing Was The Same

Crítica | Drake - Nothing Was The Same