Crítica | Capitã Marvel

Crítica | Capitã Marvel

spl.jpg

É surreal que tenhamos tanta fé em alguém para que derrote um personagem fictício que parece tão implacável. É maravilhoso que esse personagem seja uma Mulher.

Antes de mais nada, é verdadeiramente uma pena que, em seu 21º filme, a Marvel não tenha conseguido fazer de “Capitã Marvel” o filme que o público feminino mereça. É mais um capítulo decente e bem feito do MCU, seguindo a mesma fórmula que simplesmente os impede de fazer um filme verdadeiramente ruim, mas ao não tomar riscos, essa história tão importante de ser contada falha em atingir todo o potencial que uma personagem tão importante no universo do estúdio possui. Dito isso, não há maneiras de não considerar o longa dirigido por Anna Boden e Ryan Fleck um triunfo e um marco cultural. É o primeiro filme (razoavelmente bom) centrado em uma super heroína, e isso por si só já vale o ingresso.

Diversas coisas funcionam aqui, pois afinal, o jeitinho da Marvel de fazer filmes é rivalizado apenas pela Pixar em termos de consistência e qualidade. Se é difícil se preocupar com qualquer capítulo menos importante que o próximo “Vingadores”, os diretores compensam isso em aliar à personagem interpretada por Brie Larsson poderes que são uma das únicas esperanças de derrotar o temido Thanos, e isso é a melhor parte do filme. Carol Denvers é, sem sombra de dúvidas, a melhor incarnação de poderes escatológicos nas telonas logo na primeira tentativa sendo que Thor precisou de algum tempo para atingir seu ápice (em “Guerra Infinita”) e o Superman de Henry Cavil teve de conviver com a inconsistência do tom sombrio de seu filme e seus poderes cartunísticos. Apesar de que, como é de praxe, não haver uma explicação lógica do que Denvers é realmente capaz de fazer, a maneira com que a direção desfila suas habilidades é natural e descontraída, algo essencial para que funcionem como devem.

spl.jpg

A dupla, porém, falha em estruturar seu filme da melhor forma. Um tanto episódica, a história de origem da Capitã é cliché, mas isso não é o principal problema. O longa demora uns bons minutos até mostrar do que realmente se trata, com uma confusa e longa demais sequência de flashbacks que só fazem sentido ao final. Há pouca exploração do mundo de Hala, extremamente pobre conceitualmente quando comparado a Wakanda, por exemplo, sendo que as coisas só começam a engatar quando Carol chega a Terra nos anos 90, divertida e referencialmente construída pelo design de produção, roteiro e pelo excelente uso da cinematografia, essa sim, uma das melhores do MCU até o momento. Suas interações com o mundo não são novidade, mas divertem.

Enquanto a história oferece algumas reviravoltas interessantes e não tão fáceis de se prever, o roteiro é um tanto raso, o que impede os momentos de empoderamento feminino de atingirem seu maior potencial. Ainda assim, toda e qualquer moça que assista à “Capitã Marvel” deve e vai se emocionar, afinal, diferentemente da (também muito boa) Mulher Maravilha (2017), mostrada pela DC, Carol Denvers era, antes de receber seus poderes, um exemplo de luta e resistência em um meio dominado inteiramente por homens. Algo muito bem enfatizado no longa, pois mostra que, com ou sem habilidade de soltar raios pelas mãos, toda mulher pode - e na maioria das vezes tem de - ser forte.

spl.jpg

Extremamente criticada pelo público masculino (ou por idiotas, na verdade) por não ser um símbolo sexual antes de seu papel como Carol, Brie Larsson, para quem não conhece, é dona da possível melhor interpretação da década até agora em “Room”, um filme que, depois de visto, fica difícil dissociar atriz e personagem. Para mim, ela ainda tem em seu olhar a tristeza de Joy e isso definitivamente atrapalhou minha experiência. E sim, a atriz ainda não se encontrou por completo na personagem, apesar de esbanjar seu talento em diversos momentos, há uma inconsistência na energia dela, algo que pode e deve ser corrigido em suas próximas aparições no MCU.

Outra incongruência é o fato de Nick Fury ser completamente diferente do que tem sido até então, mas o milagroso trabalho de rejuvenescimento de Samuel L. Jackson, e seu irresistível carisma o impedem de ser um problema no longa. Jude Law é um ótimo ator, mas tem muito pouco para trabalhar aqui, já Annette Bening não foi bem como a doutora Wendy Lawson. O resto do elenco de apoio é funcional, mas não conseguem fazer muito além do que lhes foi dado pelo roteiro. Curiosamente, Goose, o gato (interpretado por quatro felinos diferentes), é o único que arrasa em todas as suas cenas. O destaque fica pela ambígua e dedicada performance de Ben Mendelsohn, um alienígena que flerta entre o desespero, humor e coragem com fluidez, além de estar meticulosamente bem maquiado para ficar parecendo o Piccolo, de Dragon Ball, série de anime japonesa que penso ter sido uma interessante inspiração, vide a foto abaixo.

spl.jpg

É uma pena que tenham demorado onze anos para que a Marvel finalmente tenha uma super-heroína como personagem principal em um longa e, apesar de não ser o filme que o público feminino realmente mereça, é o tipo de filme que a nossa sociedade, tão manchada pelo machismo em pleno século 21, necessita.

7.3

Crítica | O Lagosta

Crítica | O Lagosta

Crítica | Todo Dia

Crítica | Todo Dia