Crítica | Viúvas

Crítica | Viúvas

viúvas 2.jpg

“Viúvas” é o que se espera para o futuro pós movimento #Metoo.

Dois mil e dezessete foi marcado pela revolução feminista em Hollywood. O movimento #Metoo criado com o intuito de expor os assédios que mulheres sofrem na indústria do entretenimento, e que também permitiu dar voz para outras insatisfações. Um desses tópicos era a necessidade de haver filmes com um elenco com predominância feminina e histórias sobre as tais. Em 2018 podemos ver o que os frutos do movimento já pode ser colhidos. “Viúvas” é um desses. 

O longa conta a história de quatro mulheres casadas com criminosos, e em um assalto mal sucedido elas vão a perder os seus maridos. Se descobrem mais envolvidas no mundo do crime do que deveriam. Veronica (Viola Davis) descobre que seu marido, Harry (Liam Nesson) roubou o dinheiro de um candidato a vereador, que a ameaça. Linda (Michelle Rodriguez) descobre que seu marido era envolvido com jogos de azar, e que havia apostado sua loja. Alice (Elizabeth Debicki) se vê desamparada ao saber que todas suas escolhas eram para apenas satisfazer um homem. Amanda (Carrie Coon) se torna mãe solteira de um menino de dois meses.

O filme funciona tão bem por haver um ótimo roteiro. Personagens desenvolvidos com ótima dinâmica, mérito de atores e da direção. Há a abordagem de assuntos atuais e necessários sem soar forçado. O roteiro foi escrito pelo diretor Steve Mcqueen (Shame) e pela escritora Gillian Flynn (Garota Exemplar). Gillian possui a habilidade de construir personagens femininas que captam tão bem a complexidade do que é ser mulher.  Para ela dois mil e dezoito, foi um ano importante em que ocorreu a adaptação de seu livro “Sharp Objects” para a televisão no canal HBO, em que também trabalhou como roteirista, e que está sendo aclamada pelas críticas tanto da academia como do público.  Steve Mcqueen mostra que está construindo uma forte filmografia, e que está apto para fazer um filme sem Michael Fassbender.  

Alguns dos aspectos interessantes desse filme, foi poder assistir a performance de atores em gêneros que ainda não havia os visto interpretar. Bryan Tyree Henry estava fixado na minha mente como Paperboi (da brilhante série “Atlanta”), mostrou como seu potencial de ator é vasto. Michelle Rodriguez tive uma impressão similar, pelo fato de estar acostumada em acompanhar filmes da franquia “ Velozes e Furiosos”, e a personagem de Linda ser diferente. Viola Davis como sempre se supera cada vez mais, se isso é possível.  Daniel Kaluuya se mostrou extremamente assustador, e comprovando o fato de que está no caminho de ser um dos melhores atores da atualidade. Como suas escolhas de personagens é esperta e o permite mostrar sua genialidade. Além dos atores mencionados, o filme conta um elenco em peso incluindo os astros Robert Duval, Colin Farrell e Liam Neeson. 

“Viúvas” pode ser visto como um conto sobre o crime. Assim como acontece na cidade Chicago, poderia ocorrer em outro lugar. Esses crimes partem tanto do lado de um poder político corrompido, uma polícia racista que utiliza brutalidade, religião que explora da boa fé de seus participantes ou do crime organizado mesmo. E que há procedência das verbas que investidas nesses originados da mesma matriz. 

7.5

viúvas 1.jpg
Crítica | Aquaman

Crítica | Aquaman

Crítica | A Vida em Si

Crítica | A Vida em Si