Crítica | Planeta dos Macacos: A Origem

Crítica | Planeta dos Macacos: A Origem

Existem poucos jeitos de se revitalizar uma franquia melhor do que esse. Além de trazer a origem da história para os dias de hoje, "Planeta dos Macacos: A Origem" excede em sua escala técnica como poucos filmes conseguem. 

Dirigido por Rupert Wyatt, "Planeta dos Macacos: A Origem" conta a história do doutor Will Rodman, que testa drogas em chimpanzés para tentar encontrar a cura para o Alzheimer e que por consequência aumenta drasticamente a inteligência dos animais. Após uma chimpanzé ser morta por ficar extremamente raivosa, Will concorda em tomar conta de seu bebê, Caesar. 

É impossível falar sobre este filme sem colocar no centro de tudo Andy Serkis, o mago da captura de movimento. Como o mestre Roger Ebert falou em sua própria crítica, é difícil saber exatamente quando o humano acaba e os efeitos começam, é um trabalho maravilhoso que adiciona ainda mais camadas à um personagem que fora muito bem escrito. Um grande triunfo aqui é a química criada entre Caesar e Will, interpretado muito bem por James Franco. Sua amizade é verdadeira e quando eles se separam você sente sua dor, sendo parte central de tudo que este filme representa. Wyatt fez questão de evidenciar tanto humanos maus como bons, sem forçar um dos lados ao público. 

O roteiro, do casal Rick Jaffa e Amanda Silver, é fortemente responsável por tornar este reboot relevante novamente. A parte científica encaixa com as profundas questões morais levantadas pela história, e é abrilhantada pelas dedicadas performances. Até mesmo Tom Felton, que odeia os macacos, está bem colocado aqui. Mas este é um blockbuster, e a todo momento você sabe disso. A direção de Wyatt tem um estilo próprio, e desde o começo constrói a tensão para o grande final, que é o combate que todos esperavam que acontecesse, e é um espetáculo tanto visual como conceitual. Podem parecer apenas macacos e humanos brigando, mas quando você pensa na ambiguidade de assistir uma cena assim e escolher um lado, sua cabeça pode dar alguns nós. 

Não é exatamente a história mais original já contada, e já tivemos muitos filmes da franquia anteriormente então o impacto da luta entre humanos e macacos é menor, mas poucas coisas estão realmente fora de lugar aqui. 

"Planeta dos Macacos: A Origem" é um excelente reboot de uma franquia que perdeu muito brilho logo após seu primeiro filme, e consegue trazer a muito interessante discussão provocada por sua história para os dias de hoje. Com boas performances, e a espetacular maestria de Andy Serkis, este é facilmente um dos melhores reboots do século. E isso é mais impressionante do que parece. 

7.6

Crítica | O Filme da Minha Vida

Crítica | O Filme da Minha Vida

Crítica | O Estranho Que Nós Amamos

Crítica | O Estranho Que Nós Amamos