Crítica | Kubo e as Cordas Mágicas

Crítica | Kubo e as Cordas Mágicas

''Se você tiver que piscar, pisque agora''

Ainda me lembro de boa parte das histórias que minha mãe contava na minha infância. Todo estímulo da imaginação que, conforme crescemos inevitavelmente perdemos, me fazia viajar sem limites,não importando a aventura ou as circunstâncias. Kubo, me fez sentir com 6 anos de novo.

Kubo é um jovem garoto, mais especificamente um contador peculiar de histórias, que após algumas situações envolvendo sua família, se vê obrigado a partir em uma aventura com uma macaca e um besouro para achar 3 objetos que podem ajudá-lo a combater uma força do mal do seu passado. 

Antes de nos aprofundarmos mais no filme, ''Kubo'', assim como ''Zootopia'' e ''Procurando Dory'', lembra porque filmes de animação são cada vez mais apreciados. A Junção da estética, que aqui é algo contemplativo, junto com a originalidade de cada história, e com a mensagem que cada um deles procura passar, cada vez mais importantes, servem tanto para adultos quanto para crianças. Esse é o ponto. Cada vez mais filmes de animação são para qualquer idade, e isso é lindo de presenciar.

O trabalho de voz funcionou para todos os personagens. Esse é um assunto importante para outra hora, mas o trabalho de dublagem em animações é algo que temos de muito bom, e muitos não valorizam. Claro que Charlize Theron, Art Parkinson, Matthew McConaughey entre outros encaixaram muito bem suas vozes em seus personagens, mas em nenhum momento as vozes dubladas deixam de condizer com exatamente o que se espera deles.

A mitologia, os personagens e o universo criados são tão bons que eu prefiro não antecipar nada e escrever menos ao estragar parte de uma das melhores experiências envolvendo cinema desse ano. O fato de ser uma stop-motion animation, ou seja, que utiliza modelos reais feitos a mão, que geralmente são fotografados quadro a quadro para poder funcionar, acrescentam uma pureza a história e a tornam mais fascinante do que seria caso fosse inteiramente feita através de um computador.

A ação do filme é ótima e sua comédia também, mas talvez o principal aspecto do filme seja a pessoalidade com que ele trata cada decisão de Kubo. É um filme muito humano, apesar de um universo fictício. A emoção e vulnerabilidade dos diálogos e das descobertas, cheio de metáforas, ao decorrer do filme, é extremamente gratificante. É  como se o filme procurasse diversas formas de estabelecer qualquer conexão com seu espectador mas nenhuma sendo apelativa ou manipulativo. É tudo muito natural e lindo.

Kubo e as Cordas Mágicas é uma história difícil de se explicar. É grandioso, divertido e lindo. Sabe lidar com temas tão maduros com tamanha sutiliza e criatividade, e com certeza não é uma história qualquer. É engraçado que, a principal mensagem do filme é sobre o poder das lembranças, e como não podemos esquecer jamais aquilo que é importante para nós, mesmo que já tenho nos deixado. 

Com certeza a história desse menino Kubo vai ficar guardada comigo pra sempre.

 

9,6

 

Crítica | A Outra História Americana

Crítica | A Outra História Americana

Crítica | Planeta dos Macacos: A Guerra

Crítica | Planeta dos Macacos: A Guerra